Página inicial Notícias Gåte veste pele de lobo em novo álbum e vídeo: ‘Ulveham’

Gåte veste pele de lobo em novo álbum e vídeo: ‘Ulveham’

Gunnhild Sundli libera a ferocidade de sua voz em antecipação às finais do Eurovision 2024

por. Thiago Marques
0 comentário 4 minutos de leitura

A lendária banda de Folk Rock norueguesa Gåte lançou Ulveham (Pele de Lobo), um novo álbum acompanhado de um inspirado videoclipe para a faixa-título. A canção foi inspirada por uma balada nórdica com mais de mil anos de idade e foi escolhida pela banda para exibir a qualidade da música nórdica no Eurovision Song Contest, com a final ocorrendo em 11 de maio de 2024.

O impressionante videoclipe foi produzido pela Helmet Films & Visual Effects e dirigido por Line Klungseth Johansen e Øystein Moe. Além de Ulveham, canção que conta com o poder do kulning e que servirá como representação da Noruega pela banda no concurso, o álbum inclui faixas do EP Vandrar, anteriormente disponível apenas em formato digital. Além disso, incorpora a música Solfager og Ormekongen, retirada do álbum acústico Nord, juntamente com uma versão ao vivo da faixa Kjærleik, gravada no início deste ano.

O álbum também terá uma versão física na forma de CD e LP Gatefold em Vinil Verde, que estará disponível em 16 de junho de 2024, embora já possa ser encomendado. Trazendo canções dos lados mais pesados e mais folk da banda, o lançamento certamente agradará tanto aos fãs mais antigos quanto aos mais novos, bem como aos recém-chegados ao seu trabalho.

Gåte veste pele de lobo em novo álbum e vídeo: 'Ulveham'
Gåte a caminho das finais do Eurovision 2024 em Malmö, Suécia.

Letra:

Gåte – Ulveham

Eg var meg så ven og fager ei møy
Med stimoder vond, mi moder ho døy

Ho skapte meg om til eit svær og ei nål
Og sende meg av ti kongens gård

Og vreida mi stimoder kjende mest
Når alle dei gillaste lika meg best

Ho gav meg ein ham som ulve grå
Ho svor meg einsam i skogjen gå

Og aldri blir eg heil og god
Før eg fær drukkje min broders blod

Tradução:

Gåte – Pele de Lobo

Eu era uma donzela bela e adorável
Com uma madrasta cruel, minha mãe falecida

Ela me transformou em um porco e uma agulha
E me enviou para longe da corte do rei

E a raiva da minha madrasta era mais evidente
Quando todos os mais belos me preferiam

Ela me deu uma pele como a de um lobo cinzento
E me condenou a vagar sozinha na floresta

E nunca serei inteira e boa
Até beber o sangue do meu irmão

PUBLICIDADE

Publicações relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está OK com isso, caso decida permanecer conosco. Aceitar